This Page in English  

Saltar para: Menu Principal, Conteúdo, Opções, Login.

Ajuda Contextual  
home
Início > Cursos > Disciplinas > LAS18
Menu Principal
Autenticação





Esqueceu a sua senha de acesso?
Mapa da ESE Setúbal
Mapa interactivo do campus. Clique num determinado edifício.

Saúde e Sociedade

Informações

    As horas de Tutoria ocorrem em horário a estabelecer com o(s) docente(s) da UC.


Ano letivo: 2021/2022 - 2S

Código: LAS18    Sigla: SS
Áreas Científicas: Ciências Sociais, Ciências da Natureza
Secção/Departamento: Ciências e Tecnologias

Cursos

Sigla Nº de Estudantes Plano de Estudos Ano Curricular ECTS Horas Contacto Horas Totais
LAS 34 Plano de estudos_2021 5,0 60 135,0

Nº de semanas letivas: 15

Responsável

DocenteResponsabilidade
Helena Maria Espada SimõesResponsável

Carga horária

Horas/semana T TP P PL L TC E OT OT/PL TPL O S
Tipologia de aulas

Corpo docente

Tipo Docente Turmas Horas
Horas de Contacto Totais 2 8,00
Ema Isabel Inácio   2,00
Helena Simões   2,00

Língua de Ensino

Português

Objetivos de aprendizagem (conhecimentos, aptidões e competências a desenvolver pelos estudantes)

Revela conhecimentos básicos sobre conceitos de saúde nas suas dimensões biológica, psicológica e social.
Identifica os determinantes da saúde e factores que promovem a segurança dos indivíduos e das populações.
Identifica os constructos sócio-cognitivos (como as crenças, atitudes e representações sociais) presentes no universo da saúde.
Analisa e reflete sobre problemáticas da saúde presentes no nossop quotidiano.
Explicita o papel do Licenciado em Animação e Intervenção Sociocultural em matéria de Saúde.
Planea acções e intervenções compatíveis com a óptica da promoção da saúde, da segurança e do bem estar.
Constrói materiais no contexto da educação para a saúde que apoiem as acções que a promovem.
Reflecte sobre as implicações das aprendizagens desta disciplina para a sua futura atividade como animador.
Comunica usando adequadamente os meios electrónicos disponíveis: email, plataforma moodle e ferramentas multimédia.

Conteúdos programáticos

• Conceito de Promoção da Saúde
• Conceito de Saúde e seus determinantes.
• Problemáticas da saúde no nosso quotidiano.
• A Educação para a Saúde como estratégia da Promoção da Saúde
• O processo educativo – complexidade do processo de aprendizagem e de mudança comportamental em saúde.
• Noções básicas de planeamento e programação em Educação para a Saúde
• Estratégias e técnicas pedagógicas em Educação para a Saúde

Outros conteúdos a abordar: em resposta aos interesses manifestados pelos estudantes e ao desenvolvimento das atividades, serão abordados conteúdos em áreas da saúde específicas com recurso, se pertinente, a especialistas convidados.


Demonstração da coerência dos conteúdos programáticos com os objetivos de aprendizagem da UC

Os temas e os conceitos abordados permitem o desenvolvimento de uma visão ampla do campo de ação da educação para a saúde e das diferentes teorias e modelos que podem fundamentar projetos de intervenção nesta área. Pretende-se desenvolver uma perspetiva abrangente e problematizadora do conceito de saúde, promoção da saúde e educação para a saúde, nas suas diferentes dimensões.

Metodologias de ensino

No sentido de dotar os estudantes com os quadros conceptuais que lhes permitam conhecer as Ciências da Saúde, compreender o seu papel na sociedade, desenvolver competências e atitudes para a prevenção e promoção da saúde a UC é organizada de forma modular com temas diferentes, mas articulados entre si.
Nos módulos, de caráter teórico-prático, para além da exploração do papel do licenciado em Animação em matéria de promoção da saúde e da reflexão sobre diversos temas da saúde, pretende-se rentabilizar as vivências/experiências individuais em favor do entendimento das temáticas.
O processo de aprendizagem incluirá: a) Pesquisas em bases de dados; b) Participação em seminários c) Comunicação com o professor e colegas via email; d) Utilização da página da disciplina através da plataforma interativa; e) Realização de uma ação de intervenção em grupo (elaboração de propostas; planificação e desenvolvimento de atividades; implementação; avaliação).
O projeto de intervenção, em pequeno grupo, parte da identificação de problemáticas reais, relacionadas com contextos concretos, que podem ser ou a Escola Superior de Educação/IPS ou as instituições selecionadas no âmbito da UC de “Design, Desenvolvimento e Avaliação de Projetos”, mais concretamente no contexto do “Projeto de Intervenção Comunitária” que os estudantes têm de desenvolver no 2º semestre do 2º ano.

Demonstração da coerência das metodologias de ensino com os objetivos de aprendizagem da UC

As metodologias de ensino reflectem a diversidade de temas e abordagens dentro da educação para a saúde. A ênfase é colocada na concepção e implementação de projectos de intervenção adequados a contextos específicos.

Metodologia e provas de avaliação

O trabalho desenvolvido na UC será objecto de avaliação contínua e avaliação sumativa.
Avaliação continua: participação e dinamização de atividades nas aulas, ao longo do semestre, mediante calendarização a estabelecer. Será objecto de avaliação individual a assiduidade e pontualidade, pertinência e qualidade das intervenções na sala de aula. – 10%
Avaliação sumativa:
Teste Individual - 30%;
Trabalho de grupo – 60% (máximo de 5 elementos).
Trabalho de conceção e implementação de uma acção de intervenção no âmbito da educação para a saúde adequada a um contexto específico

A classificação final resulta da média ponderada das classificações dos diferentes momentos de avaliação.

Regime de assiduidade

Em todas as sessões presenciais teórico-práticas a assiduidade obrigatória é de 75%. Nas sessões de orientação tutória a assiduidade obrigatória é de 90%.
Os estudantes com estatuto especial só precisam de estar presentes em 50% das aulas, desde que acompanhem as atividades. Estes estudantes deverão negociar com o docente a concretização da avaliação conforme o estipulado no Regulamento de Frequência e Avaliação (nº 2 do art. 11º).

Bibliografia

Antunes, J. (2012). A nova medicina. Lisboa: Fundação Francisco Manuel dos Santos
Antunes, M. (2008). Educação, saúde e desenvolvimento. Coimbra: Livraria Almedina.
Barroso, A. & Rodrigues, M. (2005). Educação para a saúde – Formação pedagógica de educadores de saúde. Coimbra: Formasau.
Carvalho, A. (2006). Educação para a Saúde: Conceitos, Práticas e Necessidades de Formação. Loures: Lusociência.
Crisp. N. (coord) (2014). Um futuro para a saúde – Todos temos um papel a desempenhar. Lisboa: FCG.
Educação para a Cidadania – Saúde (DGE). https://cidadania.dge.mec.pt/saude.
Hamido, G., Luís, H., Roldão, M., Marques; R. (2007). Transversalidade em educação e em saúde. Porto: Porto Editora.
Kickbusch, I. (2012). Aprender para o bem-estar: uma prioridade política para as crianças e os jovens na europa. Um processo para a mudança. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian.
Ministério da Saúde/Portal da Saúde. (s.d.). http://www.portaldasaude.pt/Portal/.
Organização Mundial de Saúde. (s.d.). http://www.who.int/en/.
Portal da Saúde da Comissão Europeia. (s.d.). http://ec.europa.eu/health-eu/index_pt.htm.
Programas de educação para a saúde/Direção Geral da Educação (s.d de http://www.dge.mec.pt/educacao-para-saude.
Redman, B. (2000). A prática da educação para a saúde. Loures: Lusociência.
Silva, L. (2004). Saber prático de saúde. As lógicas do saudável no quotidiano. Porto: Edições Afrontamento.
Silva, L. (2009). Promoção da saúde. Lisboa: Universidade Aberta.
Sriven, A. (2010). Promoting Health: a practical guide (6th ed.). London: Baillière.
UNESCO - Health Education (s.d.). http://en.unesco.org/themes/health-education.
UNESCO – Teaching and learning for a sustainable future - Health Education. (s.d.). http://www.unesco.org/education/tlsf/mods/theme_b/mod08.html.

Opções
Página gerada em: 2022-10-05 às 04:28:01 Última actualização: 2010-07-19