This Page in English  

Saltar para: Menu Principal, Conteúdo, Opções, Login.

Ajuda Contextual  
home
Início > Cursos > Disciplinas > LGP10002
Menu Principal
Autenticação





Esqueceu a sua senha de acesso?
Mapa da ESE Setúbal
Mapa interactivo do campus. Clique num determinado edifício.

Relações Interpessoais e Gestão de Grupos

Informações

    As horas de Tutoria ocorrem em horário a estabelecer com o(s) docente(s) da UC.


Ano letivo: 2021/2022 - 2S

Código: LGP10002    Sigla: RIGG
Áreas Científicas: Ciências Sociais
Secção/Departamento: Ciências Sociais e Pedagogia

Cursos

Sigla Nº de Estudantes Plano de Estudos Ano Curricular ECTS Horas Contacto Horas Totais
LGP 21 Plano de Estudos 5,0 60 135,0

Nº de semanas letivas: 15

Responsável

DocenteResponsabilidade
Ana Francisca da Silva MouraResponsável

Carga horária

Horas/semana T TP P PL L TC E OT OT/PL TPL O S
Tipologia de aulas

Corpo docente

Tipo Docente Turmas Horas
Horas de Contacto Totais 1 4,00
Ana Moura   4,00

Língua de Ensino

Português

Objetivos de aprendizagem (conhecimentos, aptidões e competências a desenvolver pelos estudantes)

Espera-se que no final desta UC os estudantes tenham desenvolvido competências no sentido de serem capazes de:
- analisar formas de estar e de se comportar, no que se refere à relação consigo e com os outros;
- reconhecer as dinâmicas que intervêm na emergência e desenvolvimento de grupos;
- identificar e gerir fenómenos básicos das dinâmicas internas de um grupo;
- comunicar e interagir com os outros, promovendo ambiente de trabalho cooperativo;
- pesquisar e analisar informação e reflectir criticamente mobilizando elementos teóricos em articulação com questões de ordem prática

Conteúdos programáticos

1. A importância da comunicação nas relações interpessoais
O processo de comunicação: o conceito e as características
A linguagem verbal e não-verbal
A eficácia na comunicação

2. Elementos chave no relacionamento interpessoal
- A percepção do eu:
Importância das relações precoces
Auto-conceito – a chave da comunicação
- A percepção do outro:
A formação de impressões e os processos de categorização
A importância das primeiras impressões
Fatores que contribuem para a formação das impressões – o efeito de ordem, o efeito de halo
atitudes, impressões, estereótipos
preconceito, discriminação

3 A relação entre os individuos e/ou os grupos
condescendência, normalização, obediência, conformismo, inovação

4. Conflitos interpessoais
- A natureza do conflito
- O estilo pessoal nos conflitos:
Comportamento agressivo
Comportamneto passivo
Comportamento manipulador
Comportamento assertivo
- diferentes modelos de resolução dos conflitos

5. Os Grupos:
- Conceito de grupo
- Desenvolvimento e manutenção dos grupos;
- questões chave para a gestão de grupos.

6. Melhorar o seu estilo de comunicação interpessoal
- Comunicação positiva ou negativa
- Reagir de maneira não defensiva à critica
- Saber escutar

7. Temas em aberto. Aprofundamento dos temas tratados ou inclusão de novos temas propostos pelos alunos.


Demonstração da coerência dos conteúdos programáticos com os objetivos de aprendizagem da UC

O trabalho desenrolar-se-á fundamentalmente em contexto de sessões teórico-práticas.

1. Estratégias de gestão do programa
Estratégias de auto-aprendizagem são promovidas incentivando-se as capacidades de pesquisa de informação científica, de análise e reflexão crítica. Alguns dos produtos obtidos são objeto de partilha com o grupo através da dinamização de sessões expositivas por parte dos estudantes, valorizando o desenvolvimento de competências de exposição e discussão não só dos conteúdos teóricos como das aplicações práticas dos mesmos.
Nas sessões em que o método expositivo é predominantemente utilizado, são inseridos um ou mais momentos de discussão de temáticas chave em grande grupo, bem como a aplicação de pequenos questionários, filmes ou elementos práticos de modo a facilitar a integração de conceitos teóricos expostos na realidade quotidiana e/ ou profissional.

2. Orientação tutória
É realizado o acompanhamento tutorial de modo a apoiar, orientar e aconselhar os estudantes no seu percurso de aprendizagem; a actividade tutorial poderá ser desenvolvida quer no decorrer das aulas quer em sessões específicas destinadas a esse efeito, bem como através de sessões extraordinárias de acompanhamento presencial e/ou à distância, consoante as necessidades específicas sentidas.

3. Participação dos estudantes
Espera-se uma participação ativa e interessada por parte dos estudantes, essencial ao progresso das aprendizagens e ao êxito nas avaliações, nomeadamente através de: participação nas aulas, realização de pesquisas orientadas, realização dos trabalhos propostos pelo docente, participação em atividades extra-curriculares potenciadoras dos conhecimentos adquiridos através das aulas e do estudo.

Para além da participação nas aulas, realização de pesquisas orientadas e realização dos trabalhos propostos pelo docente é incentivada a participação em a
tividades extra-curriculares potenciadoras dos conhecimentos adquiridos através das aulas e do estudo.
Outras atividades poderão ocorrer caso a turma/ docente sintam essa necessidade no decurso do semestre.

Metodologias de ensino

O trabalho desenrolar-se-á fundamentalmente em contexto de sessões teórico-práticas.
1 Estratégias de gestão do programa
Estratégias de auto aprendizagem são promovidas incentivando-se as capacidades de pesquisa de informação científica, de análise e reflexão crítica. Alguns dos produtos obtidos são objeto de partilha com o grupo através da dinamização de sessões expositivas por parte dos estudantes, valorizando o desenvolvimento de competências de exposição e discussão não só dos conteúdos teóricos como das aplicações práticas dos mesmos.
Nas sessões em que o método expositivo é predominantemente utilizado, são inseridos um ou mais momentos de discussão de temáticas chave em grande grupo, bem como a aplicação de pequenos questionários, filmes ou elementos práticos de modo a facilitar a integração de conceitos teóricos expostos na realidade quotidiana e/ ou profissional.
2 Orientação tutorial
É realizado o acompanhamento tutorial de modo a apoiar, orientar e aconselhar os estudantes no seu percurso de aprendizagem; a actividade tutorial poderá ser desenvolvida quer no decorrer das aulas quer em sessões específicas destinadas a esse efeito, bem como através de sessões extraordinárias de acompanhamento presencial e/ou à distância, consoante as necessidades específicas sentidas.
3. Participação dos estudantes
Espera-se uma participação ativa e interessada por parte dos estudantes, essencial ao progresso das aprendizagens e ao êxito nas avaliações, nomeadamente através de: participação nas aulas, realização de pesquisas orientadas, realização dos trabalhos propostos pelo docente, participação em atividades extra curriculares potenciadoras dos conhecimentos adquiridos através das aulas e do estudo.





Demonstração da coerência das metodologias de ensino com os objetivos de aprendizagem da UC

O trabalho desenrolar-se-á fundamentalmente em contexto de sessões teórico-práticas.
1 Estratégias de gestão do programa
Estratégias de auto aprendizagem são promovidas incentivando-se as capacidades de pesquisa de informação científica, de análise e reflexão crítica. Alguns dos produtos obtidos são objeto de partilha com o grupo através da dinamização de sessões expositivas por parte dos estudantes, valorizando o desenvolvimento de competências de exposição e discussão não só dos conteúdos teóricos como das aplicações práticas dos mesmos.
Nas sessões em que o método expositivo é predominantemente utilizado, são inseridos um ou mais momentos de discussão de temáticas chave em grande grupo, bem como a aplicação de pequenos questionários, filmes ou elementos práticos de modo a facilitar a integração de conceitos teóricos expostos na realidade quotidiana e/ ou profissional.
2 Orientação tutórica
É realizado o acompanhamento tutorial de modo a apoiar, orientar e aconselhar os estudantes no seu percurso de aprendizagem; a actividade tutorial poderá ser desenvolvida quer no decorrer das aulas quer em sessões específicas destinadas a esse efeito, bem como através de sessões extraordinárias de acompanhamento presencial e/ou à distância, consoante as necessidades específicas sentidas.
3. Participação dos estudantes
Espera-se uma participação ativa e interessada por parte dos estudantes, essencial ao progresso das aprendizagens e ao êxito nas avaliações, nomeadamente através de: participação nas aulas, realização de pesquisas orientadas, realização dos trabalhos propostos pelo docente, participação em atividades extra curriculares potenciadoras dos conhecimentos adquiridos através das aulas e do estudo.

Para além da participação nas aulas, realização de pesquisas orientadas e realização dos trabalhos propostos pelo docente é incentivada a participação em atividades extra curriculares potenciadoras dos conhecimentos adquiridos através das aulas e do estudo.
Outras actividades poderão ocorrer caso a turma/ docente sintam essa necessidade no decurso do semestre





Metodologia e provas de avaliação

Existem duas modalidades de avaliação na UC: o regime de avaliação contínua e o de avaliação sumativa.
Os estudantes deverão optar entre as modalidades de Avaliação Contínua e de Exame Final. Caso opte pela Avaliação Contínua, o estudante terá que realizar:
Apresentação de um ponto do programa com recurso à bibliografia da UC e dinamização de uma sessão (60%)
Uma Reflexão individual sobre as aprendizagens realizadas na UC(40%)

Em alternativa à Avaliação Contínua, o estudante poderá optar pelo Exame Final, a realizar na época prevista para o efeito.

Bibliografia

Boyd, E., Green, A., Hopfenbeck, T. N., & Stobart, G. (2019). Effective feedback: The key to successful assessment for learning. Oxford University Press. Disponível em https://elt.oup.com/feature/global/expert/assessment-for-learning?cc=pt&selLanguage=pt

Caetano, A. (1997). A formação de impressões. In J. Vala & M. B. Monteiro (Coord.), Psicologia social (pp. 89-111). Fundação Calouste Gulbenkian.

Curral, L., & Chambel, M. J. (2001). Processos de comunicação nas organizações. In J. M. Carvalho Ferreira, J. Neves & A. Caetano (Coord.), Manual de psicossociologia das organizações (pp. 357-377). McGraw-Hill.

Fachada, M. O. (2018). Psicologia das relações interpessoais. Edições Sílabo.

Fachada, M. O. (2014). Liderança: A prática da liderança. A liderança na prática. Edições Sílabo.

Golovanova, I. (2018). O poder dos seus gestos. Porto Editora.

Hattie, J. (2009). Visible learning: A synthesis of over 800 meta-analyses relating to achievement. Routledge.

Herédia, R. A. S. (2000). Resolución del conflicto. Ediciones Mensajero.

Jesuíno, J. C. (1993). Estrutura e processos de grupo: Interações e fatores de eficácia. In J. Vala, & M. B. Monteiro (Coord.), Psicologia social (pp. 259-286). Fundação Calouste Gulbenkian.

Maldonado, M. T. (2010). O bom conflito. Guerra e Paz.

Monteiro, A. P., & Cunha, P. (2016). Processos de grupo – Um manual para estudantes e profissionais. Fundação Manuel Leão.

Rosenberg, M. B. (2021). Comunicação não-violenta: O segredo para comunicar com sucesso. Alma dos livros.

Wiggins, G. (2012). Feedback for learning: Seven keys to effective feedback. Educational Leadership, 70(1), 10-16.

Opções
Últimas Notícias
Ato público de discussão de Relatório de Dissertação/Projeto/Estágio
Aula Aberta - Projeto GI4SADO
Exposição Bibliográfica | Centenário de José Saramago
Seminário Carteira de Competências | Partilha de testemunhos
Página gerada em: 2022-12-07 às 02:57:52 Última actualização: 2010-07-19