This Page in English  

Saltar para: Menu Principal, Conteúdo, Opções, Login.

Ajuda Contextual  
home
Início > Cursos > Disciplinas > LAS13
Menu Principal
Autenticação





Esqueceu a sua senha de acesso?

Pedagogia e Educação ao longo da Vida

Informações

    As horas de Tutoria ocorrem em horário a estabelecer com o(s) docente(s) da UC.


Ano letivo: 2023/2024 - 1S

Código: LAS13    Sigla: PELV
Áreas Científicas: Pedagogia
Secção/Departamento: Ciências Sociais e Pedagogia

Cursos

Sigla Nº de Estudantes Plano de Estudos Ano Curricular ECTS Horas Contacto Horas Totais
LAS 37 Plano de estudos_2021 5,0 60 135,0

Nº de semanas letivas: 15

Responsável

DocenteResponsabilidade
Ana Luísa Rebelo de Oliveira PiresResponsável

Carga horária

Horas/semana T TP P PL L TC E OT OT/PL TPL O S
Tipologia de aulas

Corpo docente

Tipo Docente Turmas Horas
Horas de Contacto Totais 1 4,00
Gina Lemos   4,00

Língua de Ensino

Português

Objetivos de aprendizagem (conhecimentos, aptidões e competências a desenvolver pelos estudantes)

Compreender as principais características e tendências de evolução do actual contexto sócio­económico e profissional; compreender o papel da educação e da formação como motores de desenvolvimento pessoal, social, profissional e económico, no âmbito do paradigma de Educação /Formação ao Longo da Vida; conhecer o sistema de educação /formação em Portugal; compreender as razões de adequação do trabalho pedagógico de formação a públicos sociais heterogéneos, em função das necessidades e das especificidades; desenvolver estratégias de identificação de necessidades de formação, de concepção e dinamização de um projecto de formação; compreender os processos de aprendizagem de adultos e identificar recursos e/constrangimentos ao processo formativo; utilizar a avaliação como um processo ao serviço das aprendizagens, das acções e dos projectos de formação.

Conteúdos programáticos

1.Educação, formação e desenvolvimento. A aprendizagem ao longo da Vida.
2. O sistema de Educação /Formação em Portugal
3. Aprendizagem e modelos pedagógicos
4. O projecto de formação (centrado no formando e organizado de forma sistémica)
5. Concepção, organização e implementação de um projecto de acção pedagógica
6. Metodologias e estratégias pedagógicas
7. Comunicação e animação de grupos
8. A avaliação pedagógica


Demonstração da coerência dos conteúdos programáticos com os objetivos de aprendizagem da UC

A educação / formação é hoje entendida como um instrumento estratégico no processo de desenvolvimento da sociedade. O facto de se reconhecer a formação como um eixo de desenvolvimento da cidadania, na sua vertente pessoal e profissional — no contexto da Sociedade do Conhecimento e da Educação/Formação ao Longo da Vida — coloca a Formação e as suas práticas na primeira linha de preocupações, num currículo para formar profissionais para agir no campo social. Assim, o educador/formador enquanto especialista na concepção e gestão de projectos em vários sectores de actividades e com públicos e comunidades diversas, necessita não só compreender, mas também de saber usar a formação como instrumento do seu trabalho a diversos níveis, compreendendo as suas potencialidades e os seus limites.

Metodologias de ensino

Estratégias de gestão do programa:
A metodologia de trabalho a desenvolver será centrada no trabalho do aluno e terá como objectivo também a vivência e experimentação por parte dos formandos de diferentes tipos de metodologias. O trabalho será orientado predominantemente numa metodologia de projecto, de grupos de discussão, seminários e painéis. Será dada uma particular atenção aos produtos construídos no processo de formação, bem como à sua partilha com o grupo e divulgação externa dos mesmos. As sessões serão organizadas de forma a articular actividades de natureza teórica, teórico-prática e seminários. O processo compreenderá a: (a) Pesquisa de informação, exposições e apresentações (b) Leitura, discussão e análise de textos; (c) Recensão escrita e/ou oral de textos; (d) Elaboração de um projecto de formação, adequado a um contexto e público específicos; (e) Construção dos instrumentos de recolha e tratamento de informação com vista à elaboração do projecto (f) Apresentação e discussão dos trabalhos realizados.

Acompanhamento tutorial:
O acompanhamento tutorial tem como finalidades: apoiar e orientar os alunos ao longo da UC na realização dos trabalhos individuais / grupo, esclarecer questões e dúvidas, prestar aconselhamento e informações; o acompanhamento será feito quer de uma forma presencial, quer a distância.

Participação dos estudantes:
Espera-se que cada estudante: (a) esteja presente em, pelo menos, 2/3 das aulas; (b) realize com aproveitamento os dois produtos previstos; e (c) participe com frequência e com qualidade durante as aulas, nas atividades propostas (ex. discussão de textos de apoio, exploração pedagógica de vídeos, debate de temas a partir da exposição de conteúdos).

Demonstração da coerência das metodologias de ensino com os objetivos de aprendizagem da UC

As estratégias pedagógicas desenvolvem-se com base na articulação actividades de natureza teórica, teórico-prática e seminários. O processo compreende pesquisa de informação, exposições e apresentações; leitura, discussão e análise de textos; recensões orais de textos; elaboração de um projecto de formação, adequado a um contexto e público específicos; construção dos instrumentos de recolha e tratamento de informação com vista à elaboração do projecto; apresentação e discussão dos trabalhos realizados.
O trabalho de projecto assume uma grande centralidade nesta U.C. Pretende-se desenvolver conhecimentos na área da educação / formação de adultos e desenvolver as competências dos estudantes no domínio da concepção de um projecto de formação, em contexto real e com públicos diferenciados.
O acompanhamento tutorial desenvolvido, individual / grupo, tem como finalidade apoiar e orientar os alunos ao longo da UC na realização dos trabalhos individuais / grupo, esclarecer questões e dúvidas, prestar aconselhamento e informações; o acompanhamento é feito quer de uma forma presencial, quer a distância.

Metodologia e provas de avaliação

O trabalho desenvolvido na UC será objecto de:
I) Avaliação contínua
Ou
II) Avaliação sumativa (exame final)

A avaliação contínua pressupõe a participação do estudante nas aulas (frequência mínima de 2/3 das aulas) e será feita com base nos seguintes produtos, que são de natureza obrigatória:
1. Concepção, apresentação e discussão em aula de um trabalho de pesquisa, realizado em grupo (cinco elementos/grupo), que incide na caracterização de uma das modalidades formativas do sistema educativo português e segue as indicações do documento “Orientações para a elaboração do 1.º produto de PELV”;
Ponderação na classificação final: 30%
2. Concepção, apresentação e discussão em aula de um projecto de formação, realizado em grupo (cinco elementos/grupo), e segue as indicações do documento “Orientações para a elaboração do 2.º produto de PELV”;
Ponderação na classificação final: 50%
3. Participação qualificada do estudante nas aulas
Ponderação na classificação final: 20%

A avaliação sumativa será realizada através de um exame final (100%).

Regime de assiduidade

A avaliação contínua pressupõe a participação do estudante na dinâmicas das aulas (mínimo 2/3 de presenças), pelo que é necessária a sua frequência.

Bibliografia

Ambrósio, T. (2001). Novas concepções dos sistemas educativos. Tendências actuais de mudança organizacional e da política de educação. In T. Ambrósio (Coord.), Educação e Desenvolvimento (pp. 69-78). Unidade de Investigação Educação e Desenvolvimento.
Bárbara, L. (2009). Métodos e técnicas pedagógicas/andragógicas. Teto de Nuvens.
Barbier, J. (1985). L´évaluation en formation. PUF.
Canário, R. (2013). Educação de adultos: Um campo e uma problemática. Educa.
Canário, R., & Cabrito, B. (2005). Educação e formação de adultos. Mutações e convergências. EDUCA.
Cardim, J. (1999). O sistema de formação profissional em Portugal. CEDEFOP.
Colom, A. (1987). Pedagogia social e intervención socioeducativa. In A. Colom (Coord.), Modelos de intervención socioeducativa (pp. 15-35). Narcea.
Comissão das Comunidades Europeias (1995). Livro branco sobre a educação e a formação: Ensinar e aprender, rumo à sociedade cognitiva. CCE.
Comissão Europeia (2000). Memorando para a aprendizagem ao longo da vida. Parlamento Europeu.
Crespo, C. A., Gonçalves, C. M., & Coimbra, J. L. (2001). A formação no mundo global: Um dispositivo na promoção de competências transversais. Faculdade de Psicologia e de Ciências da Educação da Universidade do Porto.
Cruz, J. V. P. (1998). Formação profissional em Portugal. Do levantamento de necessidades à avaliação. Sílabo.
D’Hainaut, L., & Vasamillet, C. (1996a). A formação integrada centrada no formando e organizada de forma sistémica. Colecção Módulos de Concepção da Formação, Módulo 1. Centro Internacional da Formação OIT, Edições IEFP.
D’Hainaut, L., & Vasamillet, C. (1996b). Introdução à avaliação – A problemática. Colecção Módulos de Concepção da Formação, Módulo 50. Centro Internacional da Formação OIT, Edições IEFP.
Dray, G., & Moreira, T. C. (2021). O futuro do trabalho e o imperativo de formação ao longo da vida. Dirigir & Formar, 32, 20-22.
Estrela, A., & Nóvoa, A. (1994). Avaliações em educação: Novas perspectivas. Porto Editora.
Fermoso, P. (1994). Pedagogia social: Fundamentación científica. Herder.
Ferrão, L. F. M. B., & Rodrigues, M. (2012). Manual prático: Formação pedagógica de formadores. Lidel.
Ferreira, P. T. (2007). Guia do animador na formação de adultos. Editorial Presença.
Figari, G. (1996). Avaliar: Que referencial?. Porto Editora.
Franco, L. F., & Fernández, J. M. (1991). La marginación: Realidad y perspectivas. Editorial CCS.
Freire, P. (1987). Pedagogia do oprimido. Edições Paz e Terra.
Freire, P. (1979). Educação e mudança. Edições Paz e Terra.
Hadji, C. (1989). Évaluation, règles du jeu. Des intentions aux outils. ESF.
Instituto de Emprego e Formação Profissional (2022). Referencial de formação pedagógica inicial de formadores. IEFP.
Knowles, M. S., Holton III, E. F., & Swanson, R. A. (2015). The adult learner. The definitive classic in adult education and human resource development. Routledge.
Lopes, L., & Pereira, M. (2004). Métodos e técnicas pedagógicas. Fundação para a Divulgação das Tecnologias da Informação.
Marques, R., & Roldão, M. C. (2001). Inovação, currículo e formação. Colecção CIDInE. Porto Editora.
Nóvoa, A., & Apple, M. W. (1998). Paulo Freire: Política e pedagogia. Porto Editora.
Perretti, A. (1991). Organiser dés formations. Hachette.
Pinto, J. (1999). Psicologia da aprendizagem, concepções, teorias e processos. Colecção Aprender. Instituto de Emprego e Formação Profissional.

Observações

Os conteúdos programáticos desenvolvidos em: 1 – Educação, Formação e Desenvolvimento, 2 – O Sistema de Educação e Formação em Portugal, e 3 – Aprendizagem e Modelos Pedagógicos, correspondem, em termos de carga horária e de conteúdos, aos contemplados no módulo 1 Formador: Sistema, Contextos e Perfil do Referencial de Formação Pedagógica Inicial de Formadores (IEFP), para efeitos de obtenção do CCP.

Abaixo, a continuação da Bibliografia:
Pinto, J. (1992). A avaliação como um instrumento de gestão do provável. Revista Formar, 5, 4-13.
Pinto, J. (1990). Psicologia da aprendizagem, hoje. Revista Formar, 1, 6-15.
Pinto, J. (1990). O trabalho de grupo. Escola Superior de Educação de Setúbal e Projecto Petra.
Pires, A. L. (2007). Repensar a educação/formação de adultos. Um novo paradigma educativo. Revista Formar, 58, 20-24.
Pires, A. L. (2005). Educação e formação ao longo da vida: Análise crítica dos sistemas e dispositivos de reconhecimento e validação de aprendizagens e de competências. Fundação Calouste Gulbenkian.
Quintana, J. (1991). Pedagogia Comunitária. Perspectivas mundiales de educación de adultos. Narcea.
Quintanilha, A. et al. (2002). Cruzamento de saberes e aprendizagens sustentáveis. Fundação Calouste Gulbenkian.
Rodrigues, A., & Esteves, M. (1993). A análise de necessidades na formação de professores. Porto Editora.
Rodrigues, D. (2008). Educação e diferença: Valores e práticas para uma educação inclusiva. Porto Editora.
Serrano, G. P. (2003). Pedagogía social: Educación social. Construcción científica e intervención práctica. Narcea.
Simão, A. M. V., Caetano, A. P., & Freire, I. (Org.) (2009). Tutoria e mediação em Educação. EDUCA.
Simão, A. M. V., & Freire, I. (2007). A gestão do conflito no processo formativo. Colecção Referenciais de Formação Pedagógica Contínua de Formadores. Centro Nacional de Formação de Formadores, Instituto do Emprego e Formação Profissional.
Simões, E., & Rodrigues, J. (2010). Formação outdoor: Organização, métodos e instrumentos. Revista Formar, 72, 42-45.
Simões, M. F. (2007). A dimensão territorial no âmbito da intervenção do RVCC. Revista Formar, 58, 25-27.
Stuart, R. (2000). Jogos para formadores: Desenvolvimento de equipas. Monitor.
Trilla, J. (1996). La educacion fuera de la escuela: Ámbitos no formales y educación social. Ariel.
Vicente, N. J. (2022). Competitividade empresarial e aprendizagem: Que conceitos e práticas precisamos na formação contínua? Dirigir & Formar, 35-36, 10-13.

Nota: Serão ainda usados outros recursos, nomeadamente os livros da Colecção Aprender e Formar Pedagogicamente (IEFP) e os fascículos da Colecção Módulos de Concepção da Formação (OIT/ IEFP).

Opções
Página gerada em: 2024-06-13 às 01:10:17 Última actualização: 2010-07-19