This Page in English  

Saltar para: Menu Principal, Conteúdo, Opções, Login.

Ajuda Contextual  
home
Início > Cursos > Disciplinas > LAS16
Menu Principal
Autenticação





Esqueceu a sua senha de acesso?
Mapa da ESE Setúbal
Mapa interactivo do campus. Clique num determinado edifício.

Educação e Animação Ambiental

Informações

    As horas de Tutoria ocorrem em horário a estabelecer com o(s) docente(s) da UC.


Ano letivo: 2021/2022 - 2S

Código: LAS16    Sigla: EAA
Áreas Científicas: Pedagogia, Ciências da Natureza
Secção/Departamento: Ciências e Tecnologias

Cursos

Sigla Nº de Estudantes Plano de Estudos Ano Curricular ECTS Horas Contacto Horas Totais
LAS 36 Plano de estudos_2021 5,0 60 135,0

Nº de semanas letivas: 15

Responsável

DocenteResponsabilidade
Carlos José das Neves Moreira Cardoso da CruzResponsável
José Miguel FreitasResponsável

Carga horária

Horas/semana T TP P PL L TC E OT OT/PL TPL O S
Tipologia de aulas

Corpo docente

Tipo Docente Turmas Horas
Horas de Contacto Totais 1 4,00
Carlos Cruz   2,00
José Freitas   2,00

Língua de Ensino

Português

Objetivos de aprendizagem (conhecimentos, aptidões e competências a desenvolver pelos estudantes)

. Reconhece a importância do papel do animador para sustentabilidade ambiental nas sociedades contemporâneas.
. Equaciona as consequências da intervenção do ser humano no ambiente face ao conhecimento científico disponível.
. Compreende a importância do comportamento individual e colectivo para as problemáticas ambientais da atualidade.
. Distingue os discursos do senso comum e da ciência sobre problemas ambientais e compreende as suas relações.
. Discute os dilemas ambientais da atualidade e problematiza as perspetivas em confronto.
. Identifica, recolhe e seleciona informação reconhecendo a credibilidade das fontes.
. Integra os valores ecológicos no seu discurso e nas suas práticas.
. Adquire competências na área da organização e implementação de atividades no âmbito da animação e educação ambiental

Conteúdos programáticos

1.Os problemas ambientais na atualidade e suas relações com os processos de desenvolvimento económico e social
Qualidade do ambiente e fatores de degradação ambiental
O ambiente natural e humano da Península de Setúbal
Políticas ambientais em Portugal à escala local, regional e nacional: processos, agentes e atores
Alterações climáticas, mitigação e adaptação climáticas
Resíduos: gestão e 3 R’s

2. Animação e educação ambiental
Conceitos e objectivos da educação ambiental
Educação ambiental e desenvolvimento sustentável
O papel do animador para o desenvolvimento de uma cidadania ambiental
- A animação ambiental à escala local
- Metodologias e atividades de educação ambiental e animação de grupos
- Contextos de educação ambiental, recursos e materiais pedagógicos


Metodologias de ensino

Estratégias de gestão do programa

Nas sessões teóricas e teórico práticas serão privilegiadas as referências a temas da atualidade e do quotidiano, mobilizando os saberes e as experiências dos estudantes. Muitos temas relacionados com a ambiente estão na ordem do dia, existindo por vezes um discurso superficial e de senso comum, que se pretende alterar, contribuindo para a formação de cidadãos informados e críticos.
Nos seminários previstos pretende-se proporcionar a ocasião de os alunos aprofundarem e refletirem sobre temas ambientais, nomeadamente, e quando possível, com o apoio de especialistas nas matérias.
Ao longo da disciplina os alunos realizarão, em pequeno grupo, um projeto de intervenção no âmbito da educação ambiental, concebido para um contexto concreto (análise das necessidades; definição de objetivos; planeamento da intervenção; avaliação da intervenção).

O processo de aprendizagem incluirá: a) Leitura e discussão de textos e documentos vários; b) Análise de casos; c) Análise e interpretação de artigos científicos e técnicos; d) Debate sobre dilemas e controvérsias ambientais; e) Participação em seminários; f) Participação em visitas de estudo e saídas de campo; g) Conceção e implementação de uma ação de intervenção no âmbito da educação ambiental.

O projecto de intervenção, em grupo, parte da identificação de problemáticas reais, relacionadas com contextos concretos, que podem ser ou a Escola Superior de Educação ou as instituições seleccionadas no âmbito da UC de “Design, Desenvolvimento e Avaliação de Projetos”, mais concretamente no contexto do “Projeto de Intervenção Comunitária” que os estudantes têm de desenvolver no 2º semestre do 2º

Acompanhamento tutorial

O acompanhamento tutorial previsto refere-se ao apoio dos grupos na realização dos trabalhos e ao apoio individual sempre que necessário. Este acompanhamento será presencial e à distância, contribuindo para a utilização das ferramentas de comunicação online.

Demonstração da coerência das metodologias de ensino com os objetivos de aprendizagem da UC

As metodologias de ensino centram-se na atividade do estudante, privilegiando-se a discussão de temas da atualidade, o conhecimento da realidade que o rodeia, o contacto com fontes credíveis de informação e o equacionar de formas de participação e intervenção. Apesar da natureza introdutória desta unidade curricular pretende-se que ela permita a identificação e compreensão de problemas/áreas de intervenção na perspectiva da animação e da educação ambiental e a análise de estratégias e atividades adequadas a diferentes contextos.

Metodologia e provas de avaliação

O trabalho autónomo realizado pelos alunos reverterá para a qualidade e pertinência da sua participação nas sessões.

A avaliação incidirá sobre um teste individual escrito, sobre um trabalho em pequeno grupo resultante da conceção e implementação de uma ação de intervenção no âmbito da educação ambiental. Conceção e implementação de uma ação de intervenção no âmbito da educação ambiental adequada a um contexto específico) e sobre a participação efetiva e de qualidade nas sessões de contacto com atividades desenvolvidas ao longo do semestre (nomeadamente, visita de estudo, saída de campo, análise de textos, …).

A classificação será obtida pelos seguintes pesos relativos: teste (30%), trabalho de grupo (60%) e participação individual (10%).

Qualquer situação de fraude será resolvida de acordo com o estipulado no Despacho n.º 40/Presidente/2021 do IPS.

Regime de assiduidade

Em todas as sessões presenciais teóricas e teórico-práticas, é desejável uma assiduidade de 75%. Nas sessões de orientação tutória a assiduidade obrigatória é de 90 %.
Os estudantes com estatuto especial não têm assiduidade mínima, mas têm que acompanhar e realizar as atividades. Estes estudantes deverão negociar com o docente a concretização da avaliação.

Bibliografia

Agência Portuguesa do Ambiente (2007) – Guia Agenda 21 Local – Um desafio para todos. Amadora: APA. Obtido em fevereiro de 2016, de http://www.apambiente.pt/_zdata/Instrumentos/GestaoAmbiental/A21L/Guia%20Agenda%2021%20Local.pdf
Agência Portuguesa do Ambiente (s.d.) – Obtido em fevereiro de 2021, de http://www.apambiente.pt/.
ASPEA – Associação Portuguesa de Educação Ambiental (s.d.) – Obtido em fevereiro de 2021, de https://aspea.org/index.php/pt/noticias.
Bettencourt, A. & Gomes, M. (2014) – Nos trilhos dos Açores – Educação para a cidadania. Lisboa: Tinta da China.
Braga, J. & Morgado, E. (2012). Guia do ambiente - Desenvolvimento sustentável: oportunidade inadiável. Lisboa: Monitor.
Carrapeto, C. (2009) – Educação ambiental. Lisboa: Universidade Aberta.
Comissão Europeia – Ambiente (s.d.). Obtido em fevereiro de 2021, de http://ec.europa.eu/environment/index_en.htm.
Giordan, A. & Souchon, C. (2006) – Uma educação para o ambiente. Lisboa: Instituto de Inovação Educacional/Instituto de Promoção Ambiental.
Gonçalves, F., Pereira, R., Azeiteiro, U., & Pereira, M. (2007) – Atividades práticas em ciência e educação ambiental. Lisboa: Instituto Piaget.
Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas (s.d.). Obtido em fevereiro de 2021, de http://www.icnf.pt/portal/icnf.
Nogueira, V. (2009) – Introdução ao pensamento ecológico - Educação ambiental. Lisboa: Plátano Editora.
Palma, J. (2006) – Manual de práticas ambientais. Edições Gailivro.
Santos, F. (2007) – Que futuro? Ciência, Tecnologia, Desenvolvimento e Ambiente. Lisboa: Gradiva.
Santos, F. (2012) – Alterações Globais. Os desafios e os riscos presentes e futuros. Lisboa: Fundação Manuel dos Santos.
Schmidt, L.; Guerra, J. e Nave, J. (2010) – Educação ambiental. Balanço e perspetivas para uma agenda mais sustentável. Lisboa: Imprensa de Ciências Sociais.
Schmidt, L (2016). Portugal: ambientes de mudança. Lisboa: Temas e Debates.
Soromenho-Marques, V. (Coord.) (2010) – O ambiente na encruzilhada por um futuro sustentável. Lisboa: Esfera do Caos Editores.
Teixeira, F. (2003). Educação ambiental em Portugal. Etapas, protagonistas e referências básicas. Torres Novas: LPN – Liga para a Proteção da Natureza.
Vaz, S. (2016). O ambiente em Portugal. Lisboa: Fundação Manuel dos Santos.
UNEP - United Nations Environmental Programme (s.d.). Obtido em fevereiro de 2021, de http://www.unep.org/.
UNESCO – Education for Sustainable Development. (s.d.). Obtido em fevereiro de 2021, de https://en.unesco.org/themes/education-sustainable-development.
UNRIC – Centro Regional das Nações Unidas (s.d.). Obtido em fevereiro de 2021, de http://www.unric.org/pt/.
WCED (1991) – O nosso futuro comum. Lisboa: Comissão Nacional para o Ambiente e Desenvolvimento/Meribérica/Liber.

Opções
Últimas Notícias
Aula Aberta | Relações Públicas como profissão: desafios e oportunidades.
Preservar para Viver!
Exposição Pessoal(mente) falando
Semana das Ciências do Desporto | 2022
Scratch Day 2022
Página gerada em: 2022-05-19 às 07:01:10 Última actualização: 2010-07-19