This Page in English  

Saltar para: Menu Principal, Conteúdo, Opções, Login.

Ajuda Contextual  
home
Início > Cursos > Disciplinas > OP00032
Menu Principal
Autenticação





Esqueceu a sua senha de acesso?
Mapa da ESE Setúbal
Mapa interactivo do campus. Clique num determinado edifício.

Da Produção Científica à Comunicação Científica

Informações

    As horas de Tutoria ocorrem em horário a estabelecer com o(s) docente(s) da UC.


Ano letivo: 2020/2021 - 1S

Código: OP00032    Sigla: PCCC
Áreas Científicas: Matemática, Ciências da Natureza
Secção/Departamento: Ciências e Tecnologias

Cursos

Sigla Nº de Estudantes Plano de Estudos Ano Curricular ECTS Horas Contacto Horas Totais
CS 10 Plano de Estudos a partir de 2014 5,0

Nº de semanas letivas: 15

Responsável

DocenteResponsabilidade
Sílvia Cristina dos Reis FerreiraResponsável

Carga horária

Horas/semana T TP P PL L TC E OT OT/PL TPL O S
Tipologia de aulas

Corpo docente

Tipo Docente Turmas Horas
Horas de Contacto Totais 1 4,00
Ana Maria Boavida   1,33
Sílvia Ferreira   2,66

Língua de Ensino

Português

Objetivos de aprendizagem (conhecimentos, aptidões e competências a desenvolver pelos estudantes)

Mobiliza literacias múltiplas na compreensão dos fenómenos do mundo atual: revela conhecimentos básicos nas várias áreas do conhecimento científico e tecnológico.
Gere eficazmente a informação relevante para a sua área académica e profissional.
Regula a sua ação de acordo com os princípios éticos e deontológicos da profissão.
Revela autonomia na abordagem e resolução de problemas.
Analisa e avalia fontes de informação de áreas específicas do conhecimento.
Utiliza uma linguagem científica apropriada a diferentes contextos e públicos.
Revela capacidade de reflexão sobre o papel dos media na divulgação e comunicação da ciência.
Analisa documentos de jornalismo científico, identificando a qualidade dos assuntos do ponto de vista científico e jornalístico assim como a credibilidade das fontes.
Elabora documentos de jornalismo científico.

Conteúdos programáticos

1. A comunicação de ciência:
1.1 Modelos de comunicação.
1.2 Caraterísticas de um comunicador de ciência.
2. As várias modalidades de jornalismo científico:
2.1 Tipos de periódicos e critérios distintivos: periódicos generalistas, sensacionalistas, populares e de especialidade.
2.2 Leitura, análise e revisão crítica de textos selecionados de “divulgação científica” em diversos tipos de periódicos e em livros/revistas confiáveis da especialidade.
2.3 Produção de textos de divulgação científica: critérios de transformação de um artigo científico.
3. A comunicação de matemática
3.1. A matemática na imprensa: funções e dificuldades
3.2. O uso, não uso, mau uso e abuso que se faz da Matemática.


Demonstração da coerência dos conteúdos programáticos com os objetivos de aprendizagem da UC

Numa unidade curricular em que se pretende promover a comunicação e divulgação de ciência procurando
desenvolver a cultura científica, numa perspetiva crítica de construção e divulgação de textos em suportes
comunicacionais diversos, parece ser adequado apresentar não só os conceitos e critérios de divulgação de ciência através dos media, mas também as questões associadas à fiabilidade das fontes de informação em ciência, tecnologia e matemática e à recontextualização da linguagem científica, adequada a públicos diversos em suportes adequados.

Metodologias de ensino

Tendo como ponto de partida fontes atuais e diversificadas de divulgação científica, procurar-se-á criar situações de envolvimento dos alunos na pesquisa e interpretação de textos científicos de modo a contribuir para o aprofundamento da sua literacia científica e matemática. A transformação do conhecimento científico em informação jornalística científica fiável será fonte de análise permanente ao longo das sessões de trabalho, constituindo um contexto facilitador para a aprendizagem da transformação destas linguagens. Estão previstas as seguintes situações de aprendizagem: a) Pesquisa documental e em base de dados; b) Discussão orientada de temas/textos/resultados de pesquisas; c) Análise e interpretação de artigos científicos e técnicos; d) Debate de tópicos propostos para discussão pelos alunos e o professor, designadamente online; e) Utilização da página da disciplina através da plataforma interativa; f) Elaboração de textos ou de produtos multimédia, visando a divulgação de aspetos da cultura científica a públicos diversificados.

Demonstração da coerência das metodologias de ensino com os objetivos de aprendizagem da UC

As metodologias de ensino centram -se na atividade do estudante, tendo em consideração a sua formação para a literacia científica, vista não só como a apropriação de conceitos básicos sobre a construção do conhecimento científico nas suas várias dimensões, mas também a aquisição de instrumentos de análise crítica sobre a realidade que facilitem a intervenção cidadã. Privilegia-se a realização de atividades de discussão de temas científicos e sócio científicos que evidenciem as interações que a ciência e a tecnologia estabelecem com a sociedade. A diversidade de fontes e processos de pesquisa documentais, bem como a discussão de temas em fóruns online e/ou através de simulações com desempenho de papéis, constituem poderosas ferramentas metodológicas para atingir os objetivos enunciados. A flexibilidade de seleção dos assuntos em discussão visa responder aos interesses das/os estudantes, focando o papel dos media na comunicação de ciência.

Metodologia e provas de avaliação

A avaliação é contínua e incide sobre os processos e produtos de trabalho dos estudantes. A classificação será obtida pelos seguintes pesos relativos: trabalhos escritos 70%; participação individual 30%.
As (os) estudantes que optarem pela realização desta UC por exame final podem acompanhar as atividades pela página da UC na plataforma moodle e colocarem todas as dúvidas às docentes, através do contacto pela respetiva página. O exame é constituído por uma prova escrita, realizada online, em moldes idênticos aos do trabalho proposto na avaliação contínua.

Regime de assiduidade

Em todas as sessões presenciais a assiduidade obrigatória é de, pelo menos, 70%. Nas sessões de orientação tutória a assiduidade obrigatória é de 90%. No entanto, as atividades propostas e desenvolvidas nas sessões presenciais terão que ser seguidas e elaboradas através da página da UC na plataforma moodle. Os estudantes com estatuto especial deverão negociar com as docentes a concretização da avaliação conforme o estipulado no Regulamento de Frequência e Avaliação (nº 2 do art. 11º).

Componentes de Avaliação e Ocupação registadas

Descrição Tipo Tempo (horas) Data de Conclusão
Participação presencial (estimativa)  Aulas  0
  Total: 0

Bibliografia

Buescu, J. (2007) O fim do mundo está próximo? Lisboa: Gradiva.
Buescu, J. (2011) Casamentos e outros desencontros. Lisboa: Gradiva.
Costa, A., Ávila, P. & Mateus, S. (2002). Públicos da Ciência em Portugal. Lisboa: Gradiva.
Crato, N. (2007). Passeio aleatório. Pela ciência do dia-a-dia. Lisboa: Gradiva.
Entradas, M., Junqueira, L., & Pinto, B. (2020). Portugal: The late bloom of (modern) science communication. In T. Gascoigne, B. Schiele, J. Leach, M. Riedlinger, B. Lewenstein, L. Massarani & P. Broks (Eds.), Communicating Science: A Global Perspective (pp. 693-714). Canberra, Australia: ANU Press, The Australian National University.
Ferris, T. (2013). Ciência e liberdade. Democracia, razão e leis da natureza. Lisboa: Gradiva.
Fiolhais. C. (2011) A ciência em Portugal. Lisboa: Fundação Francisco Manuel dos Santos.
Granado, A., & Malheiros, J. (2001). Como falar com jornalistas sem ficar à beira de um ataque de nervos – guia para investigadores e profissionais de comunicação. Lisboa: Gradiva.
Granado, A., & Malheiros, J. (2015). Cultura científica em Portugal: Ferramentas para perceber o mundo e aprender a mudá-lo. Lisboa: Fundação Francisco dos Santos.
Kaku, M. (2011). A física do futuro. Como a ciência moldará o mundo nos próximos cem anos. Lisboa: Editora Bizâncio.
Paulos, J. (1997). As notícias e a matemática – Ou de como um matemático lê o jornal. Mem Martins: Publicações Europa-América.
Pereira, S. (2015). A matemática na imprensa portuguesa (dissertação de doutoramento disponível em https://repositorio-aberto.up.pt/handle/10216/80086).
National Academies of Sciences, Engineering, and Medicine (2017). Communicating Science Effectively: A Research Agenda. Washington, DC: The National Academies Press.
Steiner, G. (Org.) (2008). A ciência terá limites? Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian-Gradiva.
Pinker, S. (2018). O Iluminismo agora – em defesa da razão, ciência, humanismo e progresso. Barcarena: Editorial Presença.

Opções
Últimas Notícias
Alteração de regime de aulas | medidas excecionais
Revista Medi@ções
Investigação, construção de conhecimento e práticas profissionais
Horários 1º semestre 2020/21 | ATUALIZAÇÂO
Página gerada em: 2021-01-22 às 20:08:28 Última actualização: 2010-07-19