This Page in English  

Saltar para: Menu Principal, Conteúdo, Opções, Login.

Ajuda Contextual  
Escola Superior de Tecnologia de Setúbal Secretaria Académica - informações
Você está em: Início > Investigação & Desenvolvimento > Publicações > Visualização
Menu Principal
Autenticação





Esqueceu a sua senha de acesso?
Mapa da ESTSetúbal
Edifício ESTS Bloco A Edifício ESTS Bloco B Edifício ESTS Bloco C Edifício ESTS Bloco D Edifício ESTS Bloco E Edifício ESTS BlocoF Mapa interactivo do campus. Clique num determinado edifício.

Efeitos da Poluição Atmosférica no Sistema Respiratório

Artigo em Acta de Conferência Internacional

Autores: T. Ferreira
N. Batista
Rita Cerdeira
Claudia Louro
Luís Coelho
João Garcia
Célia Gouveia
Palavras Chave: Ciências tecnológicas
Ano: 2006
Conferência: XXII Congresso de Pneumologia, IV Congresso Luso-Brasileiro
Local: Estoril, Portugal
Data: 7 a 10 de Dezembro de 2006
Contacto: teresaferreira@netcabo.pt
Resumo: As crianças, sendo uma população sensível, encontram-se mais vulneráveis aos efeitos da poluição atmosférica que os adultos, por diversas razões, desde o tempo que passam no exterior, à anatomia e fisiologia do aparelho respiratório que ainda se encontra em desenvolvimento. As crianças apresentam taxas de ventilação superiores aos adultos e a baixa estatura das crianças aumenta ainda a sua exposição às emissões de tráfego. Todos estes factores contribuem para o desencadeamento de episódios de dificuldade respiratória com maior frequência, mesmo na presença de concentrações de poluentes menores. O objectivo deste estudo é compreender os efeitos da poluição atmosférica na saúde das crianças atendidas no serviço de urgência do Hospital do Barreiro (SU), com queixas do foro respiratório de etiologia não infecciosa. Realizou-se um tratamento estatístico dos dados relacionados com as crianças, (número de observações, sintomatologia, idade, sexo e área de residência), dos dados meteorológicos (temperatura e humidade) e dados da concentração de poluentes (Monóxido de Carbono (CO), Dióxido de azoto (NO2), Dióxido de Enxofre (SO2), Matéria Partículada (PM) e Ozono (O3)). Do conjunto de 1238 crianças observadas no SU, 31% apresentavam tosse, 41% dificuldade respiratória e 28% asma. A maioria das crianças tinha idade inferior a 2 anos. Apesar de geralmente as crianças recorrerem ao SU mais frequentemente no Inverno, ao considerar as classes de idade, constata-se um maior número de crianças observadas no SU com idades compreendidas entre 6 e 10 anos, no Verão. Uma possível razão é o facto destas crianças despenderem mais tempo no exterior devido às boas condições meteorológicas. Os resultados estatísticos mostraram uma correlação positiva entre o número de crianças atendidas e o CO, que é um poluente proveniente, maioritariamente, do tráfego e das lareiras. Verificou-se ainda que a concentração de CO aumenta no Inverno, assim como o número de crianças atendidas no SU. Como esperado, a humidade tem uma correlação positiva e a temperatura negativa. Os métodos estatísticos utilizados não permitiram resultados conclusivos sobre outros poluentes, contudo novos métodos estão a ser utilizados, esperando-se melhores resultados no futuro próximo.
Opções
Últimas Notícias
Cerimónia Académica de Entrega das Cartas de Curso 2015
Diplomado do IPS cria App inovadora para Diabéticos
Candidaturas aos Cursos Técnicos Superiores Profissionais (CTeSP)
Diplomado do Politécnico de Setúbal distinguido com o prémio Inovação Jovem Engenheiro
Shell Eco-Marathon: IPS alcança a melhor pontuação portuguesa
Candidaturas para o Estudante Internacional
Mestrados - Candidaturas Abertas I 20 de maio a 15 de setembro'15
Página gerada em: 2015-07-05 às 03:37:44